EP 5 | Como é viver na maior cidade do Brasil?

São Paulo, a cidade mais populosa e também o centro financeiro do Brasil.  Lar de 12 milhões de pessoas. Brasileiros de todos os estados. Estrangeiros de todo o mundo.  Uma vida noturna que não para. Um trânsito caótico. Um tempo que ninguém entende. A cidade que todo mundo ama odiar. 

Você já imaginou como deve ser morar no meio de toda essa confusão? Fica comigo que eu vou te contar. Eu sou o Leni e este é o quinto episódio do Fala, Gringo!, o seu podcast de Português Brasileiro.


O motivo do tema de hoje é muito mais que apresentar um pouco da vida urbana brasileira. É também uma forma de encerrar a minha passagem na cidade, como uma homenagem.

Dentro de dois meses voltarei ao Recife, a última cidade em que morei antes de vir para cá.  Por isso quero aproveitar o episódio de hoje para falar da minha experiência em São Paulo. Além de saber algumas curiosidades sobre a vida nesta cidade, vocês também podem me conhecer um pouco melhor. Estamos formando uma grande comunidade de aprendizado do Português e da mesma forma como vou recebendo mensagens de vocês, que dizem de onde são e por que estão aprendendo o português, acho legal que vocês saibam um pouco de mim também.

Antes de começar, quero lembrar que a transcrição integral deste episódio está disponível no meu blog. Se você não conseguir acessar diretamente o link no aplicativo que você está ouvindo, siga-me no instagram @portugues.com.leni que você encontra todos os endereços na bio. Lá no meu instagram, repito @portugues.com.leni você também pode conferir dicas de português: gramática, vocabulário, dicas culturais e ficar sabendo sempre que eu postar um conteúdo novo no Youtube.


Cheguei a São Paulo no início de junho do ano passado. Eu tinha acabado de fazer uma viagem de três meses por nove países da Europa e não queria voltar para o Recife ainda. Você sabe como é… Demora um pouco para o espírito de viajante deixar a gente.


Mas na minha passagem de volta para o Brasil, quer dizer, no meu bilhete, havia uma parada em São Paulo, o que é muito comum por dois motivos. Primeiro porque comprei uma passagem na promoção, quer dizer, com desconto, preço abaixo do comum. Segundo, porque São Paulo é o ponto de chegada/partida dos principais voos internacionais do Brasil. 

Foi aí que pensei: por que não dar uma paradinha em São Paulo para visitar uns amigos, já que eu não quero voltar para casa agora?

O que eu não imaginava é que essa paradinha ia durar tanto tempo!

Apesar de São Paulo ser o lugar onde estão as melhores oportunidades profissionais na minha área, a área de comunicação, a verdade é que eu nunca considerei morar aqui. Já tinha visitado a cidade a passeio algumas vezes e confesso que o seu ritmo e grandiosidade me assustavam. Na minha cabeça, sempre foi uma cidade apenas para visitar.

Mas como eu já estava em São Paulo e tinha gastado quase todo o meu dinheiro nestes três meses de viagem, decidi procurar um emprego freelancer para pagar as despesas nesse tempo curto que eu ficaria aqui. Não demorou nem quinze dias e eu já tinha um contrato de um mês numa agência de publicidade, que foi renovado por mais um mês. Depois eu já estava em outra empresa. E depois em outra. Enfim… De uma forma resumida é isso. Depois minha namorada veio da França e já que as coisas estavam funcionando, decidimos ficar aqui.

Estilo de vida Paulistano

 Como falei, as oportunidades de emprego são muitas e tanto eu quanto a minha namorada nunca faltou trabalho. O que me faltou aqui foi a vida social. Foram os amigos que deixei no Recife, o calor humano, a proximidade com a minha família. Senti bastante a solidão da cidade grande, mesmo já tendo alguns amigos de longa data que também  moram aqui. 

Uma piada comum em São Paulo é que as pessoas sempre dizem “vamos marcar de tomar uma cerveja qualquer dia deses”. Note que não é “vamos marcar de tomar uma cerveja semana que vem”, é vamos marcar qualquer dia desses. É meio vago, né? E assim se passam quatro, cinco meses até esse rolê acontecer. Se ele acontecer.

Rolê é uma gíria brasileira muito usada pelos jovens para falar de um pequeno passeio. Seja ir a um parque, uma festa, ou simplesmente sair para beber alguma coisa com alguém.

A dificuldade de se manter proximidade ou construir relações duradouras é comum entre os habitantes dessa grande cidade e São Paulo não poderia ser diferente. Aqui quase todo mundo concorda que as pessoas são individualistas e só pensam em trabalho.

Trabalho. Não se fala em outra coisa em São Paulo. É geralmente o assunto do almoço, do intervalo da balada, do encontro do final de semana. Em nenhum outro lugar em que estive, vi as pessoas falaram tanto de trabalho. Tá achando que eu tô (estou) exagerando? Então escuta só o comentário que um cara fez num vídeo no YouTUbe que falava sobre esse assunto.

Se você deseja uma vida tranquila, te dou um conselho: não venha para São Paulo. Fique na sua cidade! Viver em São Paulo é viver no olho do furacão (viver no caos). Viver em São Paulo é ter de provar todos os dias que você é o melhor. Quem é mais ou menos é engolido, fica para trás. Muitos dirão: que terrível! Sim, mas depende do ponto de vista. Pois, a grandiosidade de São Paulo foi construída por gente que não enxergava obstáculos, e sim oportunidades. Os primeiros habitantes de São Paulo, exceto os índios, olharam o paredão da Serra do Mar e falaram: vamos! Sem medo! O lema da nossa bandeira resume o que é a cidade e explica o porquê de ela representar o que é para o Brasi: NON DUCOR DUCO, que é bom português significa “Não sou conduzido. Conduzo.” 

Anônimo

Se para você essa forma de ver a cidade parece “workaholic” demais, não se assuste se eu disser que é uma mentalidade muito comum no estilo de vida das pessoas têm aqui. Engraçado que é um comportamento que você vai aderindo mesmo sem perceber. Mesmo se você não estiver com pressa, não estiver atrasado para chegar em algum lugar, você percebe tanta correria ao seu redor que de alguma forma entra no modo automático e começa a correr também. E pensa em trabalho inclusive no seu tempo livre. É com dizia um rap brasileiro:

Em São Paulo, Deus é uma nota de cem.

Vida Loka – Racionais MC

A nota de cem é a maior nota da nossa moeda, . Então a partir dessa frase dá pra ilustrar melhor a relação das pessoas com o tempo e o dinheiro. Se o depoimento anterior não foi suficiente, o que eu acho difícil.


Bom, eu não tenho nada contra trabalho. Pelo contrário, gosto muito de trabalhar, especialmente com coisas que me dão prazer. Como produzir conteúdos para vocês. E isso não dá pouco trabalho não, viu? 

Antes de ligar o microfone e começar a gravar, eu tenho que fazer pesquisas, roteirizar tudo, juntar referências e finalmente conseguir um tempo e lugar silencioso para poder gravar, o que é tem sido bem difícil ultimamente já que o vizinho do apartamento de cima não para de arrastar móveis. Depois que o áudio está gravado, ainda preciso editar, colocar a trilha e finalmente, fazer um upload na internet.

E é justamente por ele dar tanto trabalho que eu gostaria que chegasse ao maior número de pessoas possível. E você pode me ajudar nisso. É só deixar uma avaliação no iTunes se você acha que esse podcast de alguma forma está ajudando você.

E aí, posso contar com você para fazer crescer a Comunidade Fala Gringo!?

Entretenimento

Vamos terminar o assunto de trabalho um pouco de lado porque eu já tô ficando cansado. E se tem uma coisa que eu gosto tanto quanto trabalhar é me divertir.  Acho que todo mundo, né? E quando o assunto é diversão (entretenimento), São Paulo é um prato cheio. Prato cheio é uma expressão que usamos para indicar grande quantidade. 

Não é por acaso que a capital paulista é conhecida como “a cidade que nunca dorme”. Se você quiser sair toda noite, toda noite tem opções para se divertir. A festa não para. Seja na rua, nos bares ou numa balada. Balada é como chamamos as boates.

Balada não é muito a minha coisa, prefiro diversões mais tranquilas. Gosto muito de tomar uma cerveja na rua, conversando com os amigos e ouvindo música. Isso é uma coisa muito brasileira, inclusive. Beber cerveja na rua ouvindo um sambinha, é bom demais! Para isso, o bairro italiano de São Paulo é o melhor lugar. O Bixiga tem samba ao ar livre no final de semana e é um dos meus programas preferidos na cidade.

Em São Paulo nunca falta nada para fazer. Nunca mesmo. Eu acho que é impossível imaginar uma coisa que você não possa encontrar em São Paulo. Você quer uma comida típica do Haiti, da Angola, da Itália ou do Marrocos? Você encontra. Um lugar para praticar o seu esporte preferido, mesmo que ele não seja popular? Você encontra. Quer ver um show local ou de alguma banda estrangeira?  São Paulo nunca vai deixar você na mão. Sempre vai ter vários lugares que são a sua cara, porque em São Paulo tem gente de todos os cantos do mundo.

A cidade concentra o maior número de japoneses, libaneses e italianos fora de seus respectivos países de origem. Só a população de japoneses e seus descendentes na capital é estimada em quase 40 mil.  

Em São Paulo você chega onde quer que seja de transporte público. O metrô de são paulo é considerado um dos mais limpos do mundo. E onde o metrô não chega, pode ter certeza que um ônibus chega. Chega até na praia!


Sempre que eu estava cansado da agitação da cidade, do cenário cinza e de ver edifícios por todos os lugares, eu dava uma fugidinha para a praia. Eu não consigo ficar longe do mar e para a minha sorte, a menos de duas horas do centro de São Paulo é possível chegar no litoral sul do estado Estar na praia ou em meio a natureza é tudo que eu preciso para recarregar as energias e enfrentar qualquer cidade que seja. Acho que em um ano e meio morando em São Paulo, fui à praia mais vezes que muita gente que mora aqui há muito tempo. 


São Paulo foi muito generosa comigo. Aqui experimentei a solidão, a correria, o estresse, a impessoalidade das pessoas. Mas não experimentei a infelicidade. 

Sempre havia uma livraria para ir, um parque para fugir do cinza e ver um pouco de verde, um show de uma banda ou uma exposição para visitar. Sempre havia a possibilidade de sair sem destino e descobrir um novo lugar para comer, um espaço cultural, uma pracinha escondida. Trocar uma palavra com alguém que eu jamais voltaria a ver.

Além de tudo, adoro a sensação de que aqui você pode ser quem você quiser, como em nenhum outro lugar do Brasil. Caminhando pela Avenida Paulista, a principal avenida da cidade, você consegue ter um panorama dessa diversidade. São tantos estilos, tantas etnias, tantos sotaques, expressões. Cada pessoa é um mundo. E em São Paulo cabem todos eles.

Num apartamento
Perdido na cidade
Alguém está tentando acreditar
Que as coisas vão melhorar
E na medida do impossível
Tá dando pra se viver
Na cidade de São Paulo
O amor é imprevisível como você
E eu
E o céu

Rita Lee

São com os versos de Rita Lee, a mais paulistana das cantoras brasileiras que termino o episódio de hoje!

Não esqueça de seguir o podcast na plataforma que você está usado ou
deixar uma avaliação no itunes se você gostou desse episódio.

Muito obrigado pela companhia. 
Esse foi o Fala, gringo. O seu podcast de Português Brasileiro.


5 comentários em “EP 5 | Como é viver na maior cidade do Brasil?

  1. Olá Leni, eu vou te acompanhando há pouco tempo; com podcast, no Instagram, também no seu canal de YouTube. Quero te dizer que acho muito legal o que você faz, eu gosto de escutar e ver todos os conteúdos. Fiquei triste pelas transcrições, tenho saudades delas😪 kkk….mais agora não poço pagar. Sou da Colômbia, morei em São Paulo, também mas tive que voltar para meu país porque sofri um acidente de carro. Nunca aprendi português, ficando lá , só portunhol. Agora estou com saudades da cultura brasileira, e você me leva numa viagem cada vez que escuto ou vejo seus vídeos. Te agradezco .

    Curtir

  2. Olá,
    Muito obrigado pelo este episódio maravilhoso,
    Eu gosto desse jeito de tomar decisão para experimentar algo novo, o que é a vida se a gente não provar coisas novas.

    Eu agradeco.

    Curtir

  3. Obrigada por este podcast! Sou das Filipinas. Quero visitar Brasil quando já seria seguro para viajar. Gosto de saber, na realidade, é seguro para uma mulher sozinha passea ao redor do São Paulo ou outro cidades grandes em Brasil (como Salvador, Rio de Janeiro…)??

    Curtir

    1. Olá @gokrystal ! Minha namorada é francesa e viajou sozinha exatamente por essas cidades que você falou e não teve problema nenhum. A dica é estar atenta aos centros históricos, onde normalmente acontecem golpes e furtos (em qualquer lugar do mundo) e evitar caminhar sozinha à noite por ruas vazias. 🙂 Como dizermos por aqui: não dar sorte para o azar. Abraço!

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s