EP 3 | O que aconteceu com a Amazônia?

Há duas semanas, não se fala em outra coisa que não os incêndios na Amazônia. 

Se você não conseguiu acompanhar bem as notícias devido à barreira da língua ou se você se sente perdido em meio a tantos acontecimentos, não se preocupe. Até para os brasileiros está complicado entender toda essa crise. Por isso, tentei reunir algumas informações para você também ficar por dentro do que está acontecendo. A ideia não é se aprofundar em um fato ou outro, mas trazer um resumo para ajudar você a entender como essa crise começou e em que ponto ela está. 

Eu sou o Leni e esse é o terceiro episódio do “Fala, Gringo!”, o seu podcast de Português Brasileiro Intermediário.

[Música]

Confesso que tinha pensado num tema um pouco mais leve para este episódio, mas como a ideia do Fala Gringo é entre outras coisas, trazer os assuntos que estão em destaque no Brasil, o problema de incêndios na Amazônia não podia ficar de fora. Como eu disse, até para os brasileiros, a situação não é tão simples de entender. Além das chamas que se espalham pela floresta, declarações polêmicas do presidente Jair Bolsonaro colocaram mais lenha na fogueira. Iniciou-se uma crise de nível internacional, o que levou o G7, as grandes potências mundiais a tratarem os incêndios como assunto de interesse global. 

A maioria das informações que vou apresentar aqui foram retiradas de portais de jornais brasileiros, como Folha de São Paulo, Estadão e Exame. Não é a minha opinião sobre o tema, apenas fatos, notícias, tá bom? Muito mais que a pesquisa, o meu maior trabalho foi o de simplificar a linguagem para que as informações se tornassem mais acessíveis para você, que não é um falante nativo do português. 

Lembrando: você pode acompanhar o podcast com uma transcrição completa, mais uma lista de vocabulário. E, o melhor, tudo totalmente gratuito. É só acessar falagringo.school.blog. Não esqueça de assinar o podcast na plataforma em que você está ouvindo para não perder os próximos episódios.

Antes de começar, quero mandar um abraço para todos que estão me acompanhando. Fiquei muito feliz quando vi que tem ouvintes no México, Argentina, Rússia, Estados Unidos, França, Panamá, Chile, enfim… Aproveito também para ler uma mensagem muito legal da Anna Bega, que é da Rússia, mas está acompanhando o “Fala, Gringo” da Áustria. Ela diz assim:

Oi, Leni, tudo bem? Primeiro queria agradecer por seu trabalho. É, na verdade, um conteúdo muito legal para estudantes de nível intermediário. Os temas são bem escolhidos, interessantes e úteis, não só para uma conversa, mas também para quem vai fazer um exame como o Celpe-Brás, onde a gente sempre encontra temas muito atuais. Falando sobre o primeiro episódio, gostei bastante, mas achei meio curto, acho que ainda tem muito pra falar sobre xenofobia. Também ri um pouco ouvindo você dizer que é Nordestino. Para mim, está muito claro. A forma como você pronuncia o T diz tudo e isso é muito legal, especialmente no sentido de escutar sotaques diferentes.

Fiquei mais feliz com o segundo episódio, que já tem 15 minutos. Eu descobri novos fatos sobre índios e suas influências no dia a dia. Achei particularmente interessante o fato sobre tomar banho. É isso. Obrigada pelo trabalho.

Anna, você não tem ideia do quanto a sua mensagem me deixou contente. Sugestões anotadas, tá bom? Agora sim, vamos ao assunto do dia:

03 pontos para entender o que está acontecendo com a Amazônia.

A Amazônia tem 60% da sua área no Brasil e é a maior floresta tropical do mundo. É considerada um grande centro de biodiversidade, com muitas plantas e animais que só podem ser encontrados lá.

Um título que frequentemente damos a Amazônia é o de “pulmão do mundo”. O próprio presidente da França, Emmanuel Macron, publicou um tuíte afirmando que este pulmão representa 20% da produção de oxigênio do mundo, o que não tem nenhuma base científica. Segundo especialistas, se existe um “pulmão do mundo”, ele estaria no mar. São as algas marinhas que produzem a maior parte do nosso oxigênio que respiramos, o que nos leva a pensar também na poluição dos mares com plásticos. Mas isso seria assunto para outro episódio.

Voltando para a Amazônia, estruturei as informações desse episódio em três blocos: 

Queimadas – Que é a parte que vamos falar do incêndio em si.
Desmatamento – Vamos entender como o processo de desflorestamento pode influenciar esses incêndios.
e por fim A crise Internacional – como tudo isso repercutiu no mundo, ou seja, como isso foi reproduzido na mídia estrangeira e como foi recebido pelos governantes de outros países.

MARCIO PIMENTA EL PAÍS / PULITZER CENTER

As queimadas

Acredito que a principal dúvida das pessoas é o motivo desses incêndios. De onde eles surgem? Existem explicações? Até o momento, a principal relação encontrada é o aumento no desmatamento, ou desflorestação. A hipótese defendida por especialistas é que as queimadas estão sendo feitas para limpar o que foi desmatado antes. 

O processo é o seguinte: as árvores de uma certa área são derrubadas, a madeira que pode ser aproveitada é retirada , seja para a construção de móveis ou construção civil, e o que sobra permanece um tempo lá para que fique secando. Quando essa biomassa, ou seja, essa camada de plantas e árvores está seca, ela é queimada para limpar o terreno e deixá-lo pronto para o pasto ou qualquer outra atividade que se tenha interesse.

A confirmação vem da Nasa. Analisando o histórico de colunas de fumaça através de imagens de satélite, eles perceberam que os pontos de origem do fogo são centralizados e muito altos, provavelmente pilhas de troncos de árvores que ficaram secando ao sol por meses até serem queimados.

O que nos leva para a próxima pergunta: quem está provocando essas queimadas?

Essa resposta vai precisar de muito tempo para ser respondida. As investigações são lentas e os focos de queimadas estão espalhados por uma área que vai do Acre, passando por Rondônia, Sul do Amazonas, Norte do Mato Grosso e sudeste do Pará.

Pelo menos no Pará uma investigação já foi iniciada, após um jornal local ter anunciado que produtores locais estavam convocando um DIA DO FOGO, no dia 10 de agosto. Quando o pessoal do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) foi analisar os dados do programa de monitoramento do instituto, de fato observaram que houve um aumento de incêndios na região naquele dia. 

Uma coisa que vale ter em mente é que a culpa das queimadas também poderia ser o tempo seco. Isso, inclusive, foi defendido pelo Ministro do Meio Ambiente logo nos primeiros dias de incêndios.

Este ano está sim mais seco, mas não tanto quanto estava em 2016. O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) divulgou uma nota no dia 20 avaliando essa possibilidade, mas no final também concluiu que a maior correlação é, de fato, com o desmatamento. 

Analisando os dados disponíveis até o dia 14, observou-se que os dez municípios amazônicos que mais registraram focos de incêndios foram também os que tiveram maiores taxas de desmatamento.

Vemos vários indícios que apontam que é o desmatamento que tem causado esses incêndios. As queimadas causadas como um processo final do desmatamento.

Forest Fires in the Amazon, Rondônia state, Brazil, (2019)- Fernanda Ligabue (Greenpeace)

Desmatamento

O governo ainda não divulgou os números oficiais do desmatamento no Brasil. Isso só deve acontecer em novembro. Mas o Inpe – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, através de um sistema que faz análises rápidas com satélite, já identificou um aumento de 49,62% nos últimos 12 meses, com relação ao mesmo período entre 2017 e 2018. 

Esse sistema usado, que eles chamam de Deter, serve para que se monitore, quase que em tempo real, onde áreas estão sendo desmatadas. Essa ferramenta foi criada porque era necessário algo que mostrasse, de forma mais rápida, qualquer alteração que estivesse acontecendo em tempo real, simplesmente comparando a imagem de ontem com a imagem de hoje, por exemplo. Assim as autoridades podem investigar imediatamente os novos espaços que surgem na floresta.

O governo Bolsonaro admitiu que houve um aumento no corte da floresta, mas ressaltou que isso vem ocorrendo desde 2012. Dados mais detalhados, como eu disse, serão divulgados em novembro, através de outro sistema, que eles chamam de PRODES.  A má notícia é que apesar de o Prodes ter uma resolução maior em imagem e só assim poderemos confirmar, nos últimos anos a tendência vista pelo Deter é confirmada posteriormente pelo Prodes então não parece vir nenhuma novidade por aí.

Outros sistemas de monitoramento independentes confirmaram a tendência de aumento de desmatamento. O SAD, da ONG Imazon, indicou para esse período aumento de 15%. Instituições estrangeiras, como a Nasa e a Universidade de Maryland, que também monitora florestas em todo o mundo, também constataram alta no desmatamento da Amazônia nos últimos 12 meses. 

CANDEIRAS DO JAMARI, RONDÔNIA, BRAZIL: (Foto: Victor Moriyama / Greenpeace)

A crise Internacional

A crise começou no dia 19 de julho. Inicialmente, o presidente Bolsonaro disse que os dados de aumento do desmatamento do Inpe eram mentirosos e que o diretor da instituição estava a serviço de uma ONG – Organização Não Governamental. Depois o governo admitiu que o desmate estava subindo, mas disse que isso era uma tendência desde 2012, e negou que os números fossem tão ruins.

Sobre as queimadas, o governo também falou sensacionalismo. Disse que o problema não era tão grave assim e até acusou ONGs de colocarem fogo na floresta, patrocinadas por outros países, só para prejudicar a imagem do governo. 

Você deve estar se perguntando. Mas se a função da ONG Ambiental é proteger a natureza, por que elas estariam pondo fogo? Segundo acredita e defende o presidente, isso seria uma reação das organizações depois que o governo bloqueou 40% dos recursos do Fundo Amazônia que são destinados às ONGs.

O Fundo Amazônia, de uma forma simplificada, é um programa criado em 2008 com o objetivo de apoiar iniciativas de proteção à Amazônia. Seu maior doador é a Noruega, seguido da Alemanha e da estatal brasileira de petróleo, Petrobrás.

Como Bolsonaro não apresentou nenhum documento que mostrasse que eram de fato as ONGS que estavam incendiando a floresta, acabou se afastando desse discurso.

Com as chamas se espalhando e o presidente ainda colocando mais lenha na fogueira, como diz a expressão, é claro que a situação chamou a atenção da imprensa e da população em geral. Ocorreram protestos não apenas nas maiores cidades do Brasil, quanto em pelo menos 15 cidades da Europa, Ásia e América…. A maior parte dos veículos de mídia internacional destacou o avanço das queimadas, utilizando dados do Inpe, confirmados pela Nasa. Na maioria dos casos, a postura adotada pelo presidente e ministro do meio ambiente trouxe críticas ao governo, visto como sem interesse pela área. 

A cobertura e o tom subiram após o presidente francês Emmanuel Macron cobrar o Brasil pela imprensa e dizer que foi enganado por Bolsonaro. Neste último domingo, dia 25, o G-7 anunciou que daria apoio aos países amazônicos para conter o fogo, com um total de 20 milhões de dólares. Então o que aconteceu? Bolsonaro se sentiu ofendido por ter sido chamado de mentiroso por Macron. Até o momento da gravação, as florestas seguem queimando, o Brasil não tem recursos para conter as chamas e ninguém decidiu se aceita o dinheiro ou não.

Antes de terminar o programa, quero reforçar um ponto importante. O problema de queimadas não envolve apenas o Brasil. A Colômbia e a Bolívia também estão sofrendo com incêndios. Na Bolívia, os incêndios já queimaram mais de 745 mil hectares de terra na região de Chiquitania, fronteira com o Paraguai. Na Amazônia colombiana, o fogo se espalhou por 100 mil hectares, na região de Beni. 


No meu perfil no instagram: @portugues.com.leni você também encontra dicas culturais, dicas de vocabulário, pronúncia e muito mais para melhorar o seu português. 

Se você gostou desse podcast e quer ajudá-lo alcançar novas pessoas, pode deixar uma avaliação 5 estrelas no iTunes. Não custa nada e assim fica muito mais fácil de o “Fala, Gringo” ser descoberto nas buscas relacionadas a aprendizado de idiomas. 

Eu vou ficando por aqui, espero que você tenha gostado. Esse foi o terceiro episódio do “Fala, Gringo”. O seu podcast de Português Brasileiro.


Vocabulário:

Incêndio – ocorrência de fogo não controlado, que pode ser extremamente perigosa para os seres vivos e as estruturas.
Colocar lenha na fogueira – Agravar uma situando propositalmente, piorar.
Potência mundial – Uma grande potência é uma nação ou o estado que, pela sua grande força econômica, política e militar, é capaz de exercer o poder por cima da diplomacia mundial.
Proficiência – a demonstração de um conhecimento, competência e capacidade.
Pasto – vegetação ou o terreno onde animais criados encontram alimento; pastagem.
Monitorar – Acompanhar, para consideração (informações fornecidas por instrumentos técnicos); monitorizar.
Ressaltar – Realçar ou destacar; distinguir ou acentuar
Constatar – descobrir a verdade de; verificar (os fatos).
ONG – Organização Não Governamental
Por fogo – O mesmo que colocar fogo
Hectare –  É a medida mais usada para o cálculo do tamanho de áreas agrícolas, matas e áreas naturais.
Sensacionalismo – uso e efeito de assuntos sensacionais, capazes de causar impacto, de chocar a opinião pública, sem que haja qualquer preocupação com a veracidade.
Recursos – O termo recursos pode ser considerado como qualquer elemento utilizado para alcançar um determinado fim. Assim, por exemplo, é possível falar de recursos econômicos, recursos humanos, recursos intelectuais, recursos renováveis, etc. 
Estatal – Empresa estatal, empresa governamental ou, simplesmente, estatal, é um tipo de empresa criada por um estado para exercer uma atividade de interesse público e cuja direção é dependente do poder público.
Avanço – Ação de avançar, de marchar adiante: o avanço do exército. / Melhoria observada em relação à natureza, qualidade, dignidade, emprego de; ascensão, melhoria, vantagem: avanço na carreira, na vida amorosa.
Pilha – amontoado de coisas, umas sobre as outras. 

Links

https://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,o-que-esta-acontecendo-com-a-amazonia-em-dez-perguntas-e-respostas,70002982309

https://exame.abril.com.br/brasil/por-que-os-incendios-da-amazonia-geraram-uma-crise-no-brasil-e-no-mundo/

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/08/24/album/1566681111_935129.html#foto_gal_2

https://g1.globo.com/fato-ou-fake/noticia/2019/08/22/veja-o-que-e-fato-ou-fake-sobre-as-queimadas-na-amazonia.ghtml

https://www.bbc.com/portuguese/brasil-49443561

https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/08/bolsonaro-recua-e-diz-que-ainda-pode-discutir-r-83-milhoes-do-g7.shtml

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s